IMPERDÍVEL- Espetáculo O filho Eterno (RS) em Teresina com audiodescrição e Libras

O espetáculo O Filho Eterno (RJ) se apresentará com audiodescrição da VouVer Acessibilidade nos dia 22, 23 e 24 de abril, no Teatro Torquato Neto, às 20h.

Depois de Maceió e Aracaju, chegou a vez de Teresina receber o belíssimo espetáculo “O Filho Eterno, da Cia Atores de Laura, do Rio de Janeiro. Todas as apresentações contarão com recursos de acessibilidade comunicacional (audiodescrição e Libras).  A audiodescrição é da equipe da VouVer Acessibilidade, cuja elaboração do roteiro e a narração da audiodescrição realizadas por Andreza Nóbrega, sob a consultoria de Milton Carvalho.

SINOPSE

“O Filho Eterno” é a adaptação para os palcos de uma das obras literárias mais importantes e premiadas no Brasil. O livro homônimo de Cristovão Tezza narra a história de um jovem pai, escritor, sustentado financeiramente pela mulher e que se vê prestes a ser pai pela primeira vez. Sua ansiedade e a expectativa com o nascimento do primeiro filho cedem o lugar à decepção inicial por ele nascer Down (Síndrome de Down). O pai, inicialmente, nega amor àquela criança “errada”. Frases de impacto, fortes e cruas, são proferidas como uma avalanche de emoções jorrando do palco para a plateia, que acompanha as tentativas do pai em “normalizar” o filho de qualquer jeito.  Ao longo do espetáculo, esse pai vai aprender, a duras penas, a amar essa criança.

SOBRE A MONTAGEM

         A história, que já encantou a muitos na forma literária, traz à tona emoções inesperadas na versão teatral. O monólogo “O Filho Eterno” mostra a luta diária de um homem que precisa lidar com as decepções que um filho pode trazer, focando no desafio de nossas limitações, sem perder o olhar elegante. Frases de impacto e inesperadas dão o tom poético dessa trama, em que vem à tona muitas questões que pensamos, mas jamais teríamos coragem de dizer em voz alta.

         “O Filho Eterno” é o primeiro monólogo encenado pela Companhia Atores de Laura. Charles Fricks (desde 1993 na Cia Atores de Laura) e o diretor Daniel Herztambém encaram a experiência como novidade. A montagem do texto partiu mesmo da vontade do ator em encarar o desafio de entrar em cena sozinho. “Sempre estive em cena com vários atores. Fiquei curioso pra descobrir qual o prazer de se estar (aparentemente) sozinho num palco”, explica Charles.  Sobre a escolha do livro, Charles afirma que foi um amigo que lhe deu a ideia de adaptar O FILHO ETERNO para o teatro. “Achava que pra estar sozinho num palco toda noite, teria que encontrar uma história que me movesse. Que me fizesse querer contar aquilo toda noite. O FILHO ETERNO fala sobre a nossa intolerância, nossa dificuldade em aceitar o diferente. E o faz de uma forma aberta, crua e delicada. Isso foi um dos motivos que me comoveu.”

         Daniel Herz, diretor da Cia Atores de Laurado espetáculo O FILHO ETERNO, não esquece a relação delicada entre o pai e filho: “Muito mais do que a relação de um pai que tem de lidar com o filho, que nasce inesperadamente com síndrome de Down, a história narra as dificuldades da paternidade, o saber lidar com o fato de que você não é mais o centro do mundo. A síndrome é só uma síntese dessas inúmeras dificuldades”, explica Herz.

         Bruno Lara Resende trabalhou por quase 1 ano na adaptação do romance O FILHO ETERNO para o teatro. Desde o início sua opção foi verticalizar na relação entre o pai e o filho.  “A intenção foi preservar a qualidade literária do texto e ser fiel ao espírito do personagem, a despeito dos inevitáveis cortes e das mínimas alterações destinados a imprimir teatralidade à narrativa. A grande dificuldade foi exatamente ter de sacrificar tanto do livro e não perder a riqueza e poesia do original”.

Prêmios

Prêmio Shell e APTR(Associação dos Produtores de Teatro  do Rio de Janeiro) – melhor ator

Prêmio Shell – categoria especial: direção de movimento – Márcia Rubin

Prêmio Orilaxé (Afroreggae) – categoria teatro – Daniel Herz

 

Indicações a prêmio

Prêmio Shell – melhor iluminação – Aurélio de Simoni

Prêmio FAZ DIFERENÇA – jornal O Globo – categoria teatro : Charles Fricks

Prêmio QUESTÃO DE CRÍTICA – melhor ator

Prêmio QUEM – melhor ator de teatro

Prêmio QUALIDADE BRASIL – melhor ator de teatro – drama

Duração: 78 minutos

Classificação etária: 12 anos

O e-flyer do espetáculo “O Filho Eterno”, da Cia Atores de Laura, tem formato retangular com fundo preto e dégradé em tom de azul na margem inferior. Ao centro do flyer, a fotografia de um homem magro de meia idade visto do quadril para cima que está cabisbaixo e com a mão no peito. Ele tem pele clara, cabelos curtos e lisos, rosto afilado, sobrancelhas espessas, nariz saliente e está com a barba por fazer. Usa um terno marrom claro sobre um pullover com estampa geométrica marrom e verde e calças compridas. Na margem superior, em branco, “Ministério da Cultura e Petrobras apresentam”. Abaixo, o título “ O Filho Eterno em Maceió” em branco e em caixa alta, com a palavra “filho” em vermelho e em minúscula. À direita do homem as informações: apresentações com serviço de libras e audiodescrição. Prêmios nas categorias: melhor ator, Charles Fricks. Categoria especial: Márcia Rubin. Prêmio APRT de melhor ator:Charles Fricks. Prêmio Orilaxé (Afroreggae) – categoria teatro – Daniel Herz. À esquerda do homem, em letras brancas: A partir de romance de de Cristovão Tezza. Adaptação de Bruna Lara Resende. Direção de Daniel Herz com Charles Fricks. Em letras maiores, Teatro Torquato Neto. Em letras menores: 22, 23 e 24 de abril às 20h. Rua Álvaro Mendes, S/N Centro- tel: (86)3222-7100. RS 20,00 inteira, Rs 10,00 meia. Abaixo, um quadrado amarelo com o número 12 na cor branca. Na margem inferior há uma tarja branca na qual estão as logos: Lei de Incentivo a Cultura, Petrobras. Realização: Atores de Laura e Ministério da Cultura, Governo Federal, Brasil, Pátria Educadora.